quarta-feira, 8 de julho de 2009

A Lua Cheia mexe comigo... ainda me deslumbra... gosto de ficar a olhá-la demoradamente...
E eu sei que isto soa a piroso mas paciência, porque é mesmo assim.
E já poucas coisas me deslumbram... já poucas coisas mexem comigo...
Mas quando está Lua Cheia parece que fico assim meia nua. O meu corpo despe-se, frágil ao seu lado misterioso. E então desgraço-me, escrevo coisas com o vocabulário da nudez, de mãos dadas contigo dentro de mim. Como esta, por exemplo:

"Ainda me pareces real e ainda sinto o cheiro a fruta fresca no teu sorriso...
Se um dia regressares que seja aos meus olhos, brilhantes de te verem...
Se um dia regressares que seja assim devagar, de respiração pausada e meiga...
Se um dia regressares, meu amor, que eu te regresse também,
dedilhando baixinho no piano melodias breves mas febris..."




7 comentários:

Anónimo disse...

Que amor sublime...

Anónimo disse...

Eu acho que esse de quem gostas deve ser uma besta.
Já pensaste bem se vale mesmo a pena?

Anónimo disse...

Gostar é sempre bom. Quanto mais não seja para nós próprios. Porque nos faz sentir vivos.
Beijos
Filipa

Anónimo disse...

quem é o homem q te faz sofrer?!?
deve ser um covardezeco com a mania q e engatatão beijo "anonimo"

Mag disse...

Tantos anónimos por aqui! Que coisa terrível...

Anónimo disse...

Eu cá estou com a Mag... ; )
Adoro vir visitar este blogue e deleitar-me com a escrita da Vocas!
Um beijinho e continua a escrever assim...
Muitas luas cheias para ti!

Miguel Flip disse...

Isto esta ao rubro ;)
MF