segunda-feira, 14 de julho de 2008



Aprendi contigo que as palavras são inúteis... que posso até falar cheia de silêncios, mas com os olhos repletos de palavras que só tu e eu conhecemos... Fazes-me falta... Faz-me falta sentir que éramos perfeitamente imperfeitos mas genuinamente amados...

4 comentários:

Carla disse...

Despedida

Deixa ir embora. Seja o que for que esteja em causa.
Deixa ir,para além da eternidade.
Deixa ir embora.
Deixa ir tudo. Cada vínculo,cada particula.Deixa partir.
Diz adeus.Diz adeus.
Vemo-nos mais tarde,lá em cima.
O tempo não existe,encontramo-nos já a seguir.
O espaço não existe,já nos vemos.
Deixa ir embora.
Deixa soltar.
Deixa ir, devagar, para o céu.
Devagar,como toca o clarinete.
Devagar, como pulsa o coração.
Devagar...mais devagar...mais devagar...mais devagar...

Anónimo disse...

É engraçado como cada pessoa lê, vê e interpreta cada coisa à sua maneira... neste texto eu vejo um registo de um amor único e muito bonito. O comentário anterior entende necessária uma despedida ao vínculo... enquanto que vejo apenas uma memória muito bonita e forte...e a nossa vida é feita de memórias de momentos felizes, porquê despedir-mo-nos deles?

Carla disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Só pa dizer que não fui eu que eliminei este comentário nem imagino como possa ter sido eliminado... eu não sou "muito dada" a estas coisas da informática...
Vocas