quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Ficamos estupidamente impotentes com a morte.
Encarcerados num turbilhão de sentimentos de angústia, tristeza, culpa, pequenez, revolta e dor. Muita dor...
Por isso acredito no Pai Natal e Na Fada dos Dentes e até no Coelho da Páscoa.
E em tudo o mais que sirva de paliativo.
Mas principalmente em Anjos da Guarda e no meu Deus com riso de criança,
sempre comigo...

3 comentários:

Maguetas disse...

É normal, porque para além do medo do desconhecido, vimos a morte com o fim, o acabar. É claro que a dor estará sempre presente... mas não será melhor encarar os fins como hipóteses de recomeço, renovação? Talvez por isso eu acredite na reencarnação... o corpo é mera passagem, invólucro. A alma (passe o "copy paste") é eterna.

Vap disse...

O Riso de Deus...
Ele deve rir destes nossos medos.
Oxalá!

Dana disse...

Gostava tanto de continuar a acreditar nessas personagens míticas, fantásticas... mas a vida por vezes é dura e rouba-nos essa magia, essa capacidade de continuar a sonhar... Os sonhos tornam-se, então, bichos terrenos, e os pés ficam demasiado presos ao chão. Buscamos uma tábua para nos agarrar quando a tempestade aperta, como um blogue, por exemplo... :)