quinta-feira, 3 de março de 2011

São baralhos de cartas que se esvaem em dominó, umas atrás das outras...
Castelos de areia devastados pela fúria do mar...
É a luz do dia que queima em jeito de espada,
e o silêncio da noite que me ensurdece os sentidos...
É tudo, tudo à minha volta chamando a morte devagar...
E é só nos teus lábios que a loucura adormece em paz.
Deita-te comigo e faz que a música, ao menos, continue minha.

6 comentários:

Anónimo disse...

... *

Miguel disse...

Minha querida, respira fundo, estou aqui para ti quando ris como agora quando choras. É isso o significado da palavra "amigo". Muita força. Precisas dela para esta etapa.
Bjs

Anónimo disse...

Amiga, continuas a escrever bem e a tocar-nos com as tuas palavras, apesar de tudo. Um dia de cada vez, "pups".
Ana

Dora Duarte Osório disse...

Se há coisas que aprendeste com a vida, foi a saber bolinar.
Os obstáculos superam-se. O que importa verdadeiramente é essa força interior que nunca te abandona e essa estrelinha dourada que te protege. E depois, claro, os amigos e o amor que continua, felizmente, tão presente na tua vida. E o amanhã é já ali.

Beijo gordo

Anónimo disse...

Amiga, relaxa... O mais importante é conseguires segurar o baralho de cartas... e superares os vários obstáculos que o adversário te vai colocando! Continua a ter essa força interior que te caracteriza... Os obstáculos superam-se... Isso é VIVER! Quando necessitares tens aquilo a que chamas de AMIGOS... Muita força e boa disposição... Beijocas XXXXLLLLL Ana B,

Anónimo disse...

Tenta pensar em uma coisa de cada vez. Vão-se os anéis, fiquem os dedos. O mais importante agora é a mãe. Beijos, Ricardo