quarta-feira, 10 de dezembro de 2008



Ontem caíu um dente ao Martim. Já não devem faltar muitos. De repente dei por mim a pensar que cada dente que lhes caía era tão normal que nem me apercebi que um dia seria o último... E assim vão crescendo sem darmos conta, atarefados que andamos com "coisas muito mais importantes"...

Resolvi então dar muita importância a este dente que ele insistia em pôr debaixo do tapete para a Fada dos Dentes lhe deixar um euro em troca...

A Fada, ocupada que estava em corrigir testes, esqueceu-se da troca e o dente permanece debaixo do tapete... levá-lo-á talvez hoje para o reino dos dentes, lá, onde se fabrica o marfim...

Mas a questão é bem outra... é novamente o tempo que não pára. Teimoso e rápido demais. Leva os dentes de leite e com eles as crianças, para se fazerem Homens.

E por isso os dentes que faltam cair ao Martim serão mais valorizados. Desde o dia em que começarem a abanar, devagarinho, até estarem quase a cair... Que é para ver se o tempo não corre tão depressa e ainda vou a tempo de deixar os testes de lado e embalar os meus filhos...

3 comentários:

Maguetas disse...

Sempre os embalaste, querida, por isso eles têm contigo uma relação feita de encanto e magia!
Beijos especiais para os três...

Ivo Korytowski disse...

Vocas, obrigado pelo comentário simpático que deixou na postagem de Poemas Natalinos do meu blog Sopa no Mel. Você pergunta por que o Pai Natal, que aqui chamamos de Papai Noel, é verde. Nunca tinha me apercebido disso, mas a maioria dos nossos Pais Noéis é vermelha como no resto do mundo - os verdes constituem uma minoria dissidente! Quanto aos bons poetas brasileiros, você os encontrará nos Poetas de A a Z do meu blog Sopa no Mel (veja no menu do lado esquerdo).
Abraço,
Ivo

Vap disse...

Bonito post. O tempo passa rápido porque nos ocupamos, demasiado com coisas que pouco interessam e muito pouco com o que realmente interessa.
Um Beijo.